Notice: Undefined variable: issinglearray in /home/metropolitano/public_html/wp-content/plugins/wp-auto-refresh/refresh.php on line 17

Sesi completa 38 anos, relembre algumas partidas épicas do Verdão no Monumental

Neste domingo, 4 de dezembro, o Complexo Esportivo Bernardo Werner, o nosso querido Sesi, completa 38 anos. No Monumental o Metropolitano realizou a maior parte dos jogos em sua história. São muitas vitórias de encher o peito do torcedor de orgulho e também algumas derrotas que ainda estão entaladas na garganta. Relembre agora algumas pelejas épicas que o Verdão realizou neste palco sagrado do futebol blumenauense.

Metropolitano 6×1 Blumenau – 31/08/2003

O primeiro jogo na lista não poderia ser mais saboroso. Contra o BEC, ainda pela 2ª Divisão do Campeonato Catarinense, o Sesi recebeu o grande clássico da cidade. O Verdão não teve dó nem piedade, fez o que quis com o rival e goleou com requintes de crueldade. Alex Marcelino driblou o goleiro e tocou para Régis, em dia inspirado, só empurrar para o gol e abrir o placar. Depois, em lateral cobrado na área, o mesmo Régis girou driblando o adversário e tocou para o gol: 2 a 0 Metropolitano. Régis, de cabeça, ainda aproveitou o cruzamento de Marquinhos para fechar o primeiro tempo em 3 a 0.

Na etapa final, Alex Albert cruzou na área para mais um gol de cabeça. Em nova bola na área, o goleiro Nivaldo falhou feio e Maranhão aproveitou para fazer 5 a 0 em bela cabeçada. Cruzamento na área e o BEC diminuiu, graças ao bandeira e ao árbitro que erraram. A zaga tirou em cima da linha, mas o tento foi validado. Tudo bem, Régis ainda arrumou tempo para fazer o seu quarto gol do dia. Decarlos invadiu a área e sofreu falta clara. Na cobrança do pênalti, chute de Régis para um lado, Nivaldo para o outro. Final de jogo: 6 a 1 Verdão para cima do seu arquirrival.

Metropolitano 3×1 Atlético Ibirama – 20/03/2005

No primeiro ano do Crocodilo na elite do Campeonato Catarinense, a equipe largou bem sendo um dos quatro melhores da primeira fase. Na etapa seguinte, disputando uma vaga nas semifinais, o Verdão largou com derrota para o Criciúma e um empate em casa contra o Figueirense, o que não ajudou muito. Na terceira rodada o Sesi encheu para a partida contra o, na época, poderoso Atlético Ibirama em um grande clássico do Vale. Os visitantes eram os atuais vice-campeões catarinenses e tinham a melhor campanha com sobras naquela temporada.

A situação não era boa. O Atlético Ibirama, favorito absoluto, abriu o placar e estava praticamente eliminando o Metropolitano. Porém, foi aí que a magia verde começou. O Crocodilo saiu a caça e virou o jogo com autoridade. No finalzinho, o Altético veio pra cima e ameaçou estragar a festa da torcida. Aos 46 minutos do segundo tempo, contra-ataque monumental do Metrô com Vanderson arrancando do meio-campo e invadindo a área para chutar cruzado e cravar a vitória.

Metropolitano 4×2 Brusque – 18/02/2006

Na estreia da segunda fase do Catarinense de 2006 o Verdão se viu em mais um clássico do Vale, desta vez diante do Brusque. Uma tarde de sábado abençoada, antológica, em que o esquadrão verde passou o trator para cima dos brusquenses. O Sesi já pulsava com a vitória por 3 a 1 quando, aos 12 minutos do segundo tempo, a bola chegou até Richardson.

O camisa 10 matou no peito e arrancou do meio-campo para fazer história. De maneira magistral foi levando: um, dois, três, quatro marcadores driblados com absurda facilidade antes do toque de categoria que não deu chances ao goleiro brusquense. Este foi simplesmente o gol mais bonito da história do Metrô. O Brusque ainda fez um tento para diminuir a diferença.

Metropolitano 1×2 Avaí – 25/03/2009

Esta é uma daquelas derrotas que nunca será esquecida. Mas, mesmo assim, vale a pena falar nela, pois foi uma noite linda, quando o povo blumenauense mostrou o seu amor pelo Metropolitano. No estadual de 2009, o Verdão terminou o turno sem nenhuma vitória e como virtual rebaixado. A campanha do returno foi colossal, escapando do rebaixamento com antecedência e chegando à última rodada sonhando com o título do 2° turno.

Era noite de quarta-feira e o Monumental tinha arquibancadas metálicas para suprir a demanda. Não se falava em outra coisa, a recuperação histórica deixou a cidade respirando futebol e o ápice seria aquela partida. Não havia lugar para uma mosca entrar no Sesi. Para quem passava pela rua Itajaí o que se via era uma gigantesca fumaça verde e luminosa, oriunda da torcida do Metropolitano.

A bola rolou e a peleja era dura. Até que o juizão marcou pênalti para o Crocodilo. Tensão absoluta, ninguém piscava, Ricardo Lobo na bola, gol! Por um minuto o Verdão era campeão, derrubando todos os grandes do estado quando estava prestes a ser rebaixado. Por um minuto uma euforia sem fim tomou conta de todos que, unidos por um único propósito, dividiam aquelas arquibancadas. No lance seguinte, falha da zaga verde e gol de Vando. No segundo tempo, Léo Gago virou para o Leão da Ilha.

Metropolitano 2×0 Figueirense – 29/11/2009

Na Copa Santa Catarina de 2009 o Verdão fez uma campanha maravilhosa que levou o time à primeira Série D de sua história, no ano seguinte. No returno, o Metrô somava três vitórias e dois empates e chegou à última rodada brigando por mais um empate, bastaria para ser campeão.

Treinado por Roberval Davino, o Crocodilo vinha a campo com: João Paulo, Deleu, Rafael, Amaral Rosa, Ruan, Alessandro, Serginho, Nequinha (Júnior), Mário André, Paulo Santos (Claudinho) e Ricardo Lobo (Juliano). O Verdão só precisava empatar, mas fez muito mais do que isso. Falta na intermediária, longe da meta. Amaral Rosa na bola, bomba antológica e golaço para abrir o placar. Paulo Santos ainda fez 2 a 0 e o Sesi pulsou com o título verde. O zagueiro Rafael levantou a taça.

Metropolitano 5×4 Joinville – 05/02/2012

O jogo em que aquela velha expressão “chuva de gols” se aplica com perfeição. No Campeonato Catarinense de 2012 o Verdão somava seis pontos em quatro jogos e precisava vencer para se firmar na parte de cima da tabela de classificação. Era um confronto contra o tradicional Joinville e ninguém esperava facilidade. Porém, o que aconteceu naquele início de noite de domingo foi simplesmente inacreditável.

Logo aos 2 minutos, a bola chegou até Maurinho, na pequena área, que fuzilou rasteiro sem dó, 1 a 0 Metrô. Antes dos 10, bola sobrando na meia-lua e Rafael Costa chegou batendo no estilo Maurinho, forte e rasteiro para fazer o segundo. Aos 16, Rafael Costa deslocou o goleiro na cobrança de pênalti para fazer o terceiro. Dois minutinhos depois, o mesmo Rafael Costa se aproveitou de falha da defesa tricolor para fazer terceiro dele e o quarto do Crocodilo. Em um dos começos de partida mais avassaladores da história do futebol catarinense, aos 18 minutos o placar marcava: Metropolitano 4×0 Joinville.

Aos 19 do segundo tempo Lima matou no peito e fez um belo gol para diminuir. Sem problemas, na sequência Maurinho recebeu bola longa e invadiu a área, driblando o goleiro e fazendo um golaço em noite de gala no Monumental, 5 a 1. Até os 35 minutos do segundo tempo os torcedores achavam que aquela seria uma goleada histórica, mas acabou se tornando uma das partidas mais dramáticas na trajetória do Metropolitano. Em escanteio, a bola foi recuada para João Henrique que bateu de fora da área para diminuir o prejuízo tricolor.

Com 39 minutos toque na área e Lima apareceu de carrinho para fazer o terceiro. Aos 41 cruzamento na área e Lima completou seu hat trick de cabeça. Com os acréscimos, ainda faltava cerca de 8 minutos para o fim da peleja e o Metropolitano se via à beira de um tropeço sem precedentes em sua história. Porém, o Verdão conseguiu segurar a vitória e arrancou para uma bela campanha no estadual daquele ano. Ufa!

Os dados abaixo são da página Metrozêra

O Metrô fez 184 jogos oficiais no Sesi até hoje, com 82 vitórias, 55 empates e 47 derrotas. Marcou 311 e levou 236 gols. Brusque e Joinville foram o adversários que o Verdão enfrentou mais vezes, 17 cada. Os artilheiros do time no estádio são: Rafael Costa (21 gols), Richardson (18) e Diego Viana (13). A maior invencibilidade do Metropolitano no Sesi é de 14 jogos, entre fevereiro e agosto de 2005, 7 vitórias e 7 empates.

Texto de Guilherme Furtado /Metropolitano – Imprensa